You are here

Campo de Plaszóvia

O campo de Plaszóvia foi originalmente desenhado para ser um campo de trabalho. Entretanto, como outros campos nazistas, deficiência de comida existiu, prisioneiros morreram de fome, trabalharam até morrer ou foram sumariamente executados sem razão. O campo foi aberto em dezembro de 1942. Mais de 150.000 civis foram feitos prisioneiros em Plaszóvia.

Um uso para o trabalho escravo era para esconder todo o rastro da matança em massa. Uma série de unidades especiais, conhecida coletivamente como Unidade 10051, foram forçadas a desenterrar os corpos putrificados dos mortos, para queimá-los e dispersar as cinzas. Este trabalho durou quase dois anos e envolveu a exumação de mais de dois milhões de corpos. Em Plaszóvia, em janeiro de 1945, uma Unidade 10051 foi forçada a exumar 9.000 corpos de 11 sepulturas maciças.

Outras unidades, trabalhando em diferentes horários nos locais de assassinato, foram elas mesmas assassinadas uma vez que seu trabalho foi feito. Os SS não quiseram nenhum traço de sobreviventes de seus crimes, ou do trabalho escravo que eram forçados a esconder.

As condições de vida neste campo foram feitas terríveis pelo comandante da SS do acampamento Amon Goeth. Um prisioneiro em Plaszóvia era muito afortunado se poderia sobreviver neste acampamento mais de quatro semanas. Após a liberação, o comandante Amon Goeth foi preso por oficiais poloneses, sentenciado à morte e enforcado.

Enquanto as forças russas avançavam mais mais na direção ocidental, os alemães começaram a evacuação sistemática dos campos de trabalho escravo em seus caminhos. Do campo de Plaszóvia, centenas foram enviados a Auschwitz, outros para o oeste em Mauthausen e Flossenburg em 18 de janeiro de 1945. O campo foi evacuado pelas Marchas da Morte, durante o qual milhares de prisioneiros morreram por doença ou foram executados se fossem muito fracos para andar. Os últimos prisioneiros foram transferidos para a Alemanha em janeiro de 1945.

FONTE: JewishGen: The Home of Jewish Genealogy